sábado, 27 de março de 2010

Decepção

brava! Revoltada, indignada, desiludida. De tempos em tempos alquem aparece na minha vida, me faz parar o que estou fazendo, dedico atenção, ajudo e as vezes levo pela mão. Daí, de repente, do nada, a criatura enfia os pés pelas mãos e lá se vai, cheia de razão, quebrar a cara, fazer merda. E sem olhar pra trás. De peito estufado, feito João-de Barro. Aconteceu de novo. E aí fico pensando: - e tudo que foi dito, mostrado, exemplificado? E as nossas lições de vida, (da minha vida)contadas, confessadas, para mostrar que não é bem assim? Que nada é fácil, que tem que batalhar, traçar metas, correr atras. A satisfação da conquista, do chagar lá. Por que o ser humano, principalmente os mais novos, são tão burros, tapados, idiotas. Se acham tãaaao "ixpertos", que não precisam dos nossos conselhos. Mas precisam da gente, do nosso apoio(financeiro). Por que então, não são dignos de cagarem SOZINHOS? Não sei se com vocês, esse tipo de coisa já aconteceu, tomara que não, pois a sensação é muito ruim, engasgada, vejo a criatura na beira do abismo e não posso fazer mais nada, a não ser pular de banda, para não ir junto. E magoam sem dó nem piedade. Só espero que esta seja a última criatura a me decepcionar nesta vida. E depois, tem gente que não entende por que me dedico tanto aos meus "filhotes".

2 comentários:

Clarice disse...

Calma. Calma e sangue frio!
Depois que passar a indignação, puxa um tempo e pensa no seguinte: só podemos ajudar as pessoas até onde elas querem ser ajudadas. Depois desse limite, cessa tua responsabilidade e tua influência.
Pode até doer, mas só podemos ajudar e não mudar.
Pele só cria calo de tanto apertar,ralar,amassar, né? Então que cada um aprenda com suas mancadas e responda por elas.
Difícil dizer não, de vez em quando, mas faz um bem danado, tanto para quem diz como para quem ouve.
Beijos, beijos.

Gloria disse...

Sábias palavras.E na verdade a dor é proporcional ao gostar, ao querer bem.
Bjs